segunda-feira, 12 de outubro de 2009

a energia feminina a nossa volta



Não adianta, eu tenho este péssimo bom hábito de me emocionar com multidões de um só, quanto mais quando posso se reúnemm por algo que acreditam, quer seja de cunho religioso ou não. Óbviamente que me refiro a grupos pacíficos, pois sou da Paz, apesar de meus arroubos de desarmonia interior que vez por outra acabo exteriorizando, mas juro que tento melhorar cada vez mais para o meu bem e para o bem de todos que convivem comigo!

Bem, hoje foi um destes dias emocionantes. Dia de procissão num trecho do Rio Paraíba, trecho pequeno mas cheio de comoção, fé e boa vontade, regado por pétalas de rosa, vivas, palmas e corações emocionados.

A energia da Grande Mãe faz isto com a gente. Não importa onde ela esteja represenada e nem como. A energia feminina do Divino está em muitas religiões do planeta, é só olhar ao redor que percebemos isto.

Mas, não é preciso ser religioso ou ter religião para ter a energia feminina personificada no corpo de uma avó, mãe, filha, tia, vizinha, amiga ou companheira, é só se manter de coração aberto que se reconhece uma destas em nossas vidas e se sortudos formos e abertos a isto, mais que uma até!

Nossa Senhora é uma delas em minha vida. Antes mesmo de eu sair pro mundão , fui prometida a ela em troca de proteção até que o nascimento fosse bem sucedido. Eu lá sem saber dentro da barriga da mamãe já tinha compromisso assumido em altar.

Ao nascer fui bem nascida em lua cheia digníssima de Mãe Maria e plena de Luz em proteção de seu manto. Fui bater em altar sagrado assim que tive saúde o suficiente munida de madrinha, padrinho, meu pai, irmã e minha mãe que sempre disse que promessa é dívida.

Fui batizada assim, na igrejinha de N. Sra Aparecida em Aparecida, cidade que agora tem catedral enorme e uma penca e mais mil de fiéis peregrinadores.

Hoje, como há anos tem acontecido, estive na ponte com a família a aguardar a procissão de barcos e sorrisos e da imagem da santa.

A espera era como criança que aguarda Papai Noel e neste caso era a espera por barcos aparecidos em curva do rio, singelos, cheidos de história, folclore e esperança.

Só por hoje sou feliz por ter participado de mais este evento simbólico na superfície de nosso querido planeta que para mim e muitos é também mais uma grande energia feminina que nos acolhe e nos nutre, a querida Mãe Gaia!

O convite é este, abra seu coração e perceba esta energia feminina que nos acolhe, protege , nutre, nos cria e nos ensina a fazer o mesmo em muitos sentidos.


obs.: foto de Nayara Monteiro

Um comentário:

Meditanterrante disse...

Oi Carmen... que gostoso o seu texto... adorei lê-lo, fica umm gostinho de querer "mais um pouco" desta história sua com a Nossa Sra, a Santa, o Feminino, a Passagem, a Celebração...
Muitos beijos... Rosana